Fusão entre empresa mineira e grupo gaúcho pode render lucros milionários

Estado de Minas

14/10/2021

O negócio terá lucro sobre juros avaliado em R$ 50 milhões anuais; expectativa é que as empresas possam abrir o capital futuramente.

A primeira semana do mês de setembro se encerra com boas expectativas para a empresa mineira Metropax e o Grupo Cortel, do Sul do país. Ambas operadoras de serviços funerários, oficializaram a fusão em contrato assinado nesta sexta-feira (3/9). 
O negócio, viabilizado por meio de troca de participação acionária em ativos das empresas, qualificará os atendimentos. Com a unificação, a Metropax passará a atuar com cemitérios e crematórios próprios, trazidos pela parceria e por meio de aquisições. 

Para o CEO do Grupo Cortel, Rafael Azevedo, o contrato pode ser o primeiro passo frente à consolidação de uma empresa de capital aberto. “A ideia é manter as estruturas de atendimentos atuais, criar produtos e ampliar a qualidade dos serviços já oferecidos. Acreditamos que este é um bom start para pensarmos em uma abertura de capital futuramente”, afirma. 
Azevedo possui boas expectativas para a parceria e compartilha a similaridade nas visões comerciais. “Temos uma forte sinergia e nossos propósitos já andavam lado a lado bem antes do início das negociações”, enfatiza. 
O negócio torna o grupo mais completo, permitindo o desenvolvimento de novas praças com muito mais efetividade, em função dos serviços prestados, que se completam. 
A Metropax, com 45 anos de mercado, conta com mais de 400 mil vidas atendidas, através de planos e serviços funerários em Minas Gerais. 
Enquanto o Grupo Cortel está presente em sete estados, com sete crematórios humanos, dois crematórios pet, além de 12 cemitérios, serviços funerários e planos. A empresa possui empreendimentos no Brasil com presença no Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Amazonas.
Segundo as empresas, o contrato, assinado nesta sexta-feira (3/9), ainda possui cláusulas técnicas envolvidas. Desta forma, valores envolvidos no acordo ainda serão divulgados. 


Voltar ao topo