Retorno de fundo imobiliário do ramo funerário se destaca

Valor Econômico

25/05/2021

O fundo CARE11, da gestora Zion Invest, é considerado pioneiro no Brasil

Por Juliana Schincariol

Um fundo imobiliário de um segmento ainda pouco explorado pelo setor privado no Brasil, do ramo de cemitérios, apresentou rentabilidade de 19,15% em 2021 até o momento, a quinta maior valorização na B3. Com o aumento da demanda por serviços funerários em meio à pandemia, os resultados das empresas investidas foram impactados.

O fundo CARE11, da gestora Zion Invest, é considerado pioneiro no Brasil. Uma das investidas, a gaúcha Cortel, planejava um IPO para 2021, mas os planos foram postergados para 2022. A ideia era levantar R$ 400 milhões.

A Zion Invest considera que esse mercado ainda é pouco explorado no Brasil. Durante muito tempo, os cemitérios eram administrados pelas prefeituras ou entidades filantrópicas ou religiosas. Hoje, cerca de 50% já possuem administração privada, ainda essencialmente familiar. “Existe potencial de crescimento do setor, que atualmente não é profissionalizado. Vimos, na pandemia, regiões no Brasil que não deram conta dos sepultamentos”, disse o gestor da Zion, João Eduardo Santiago.

Enquanto nos EUA o negócio já é consolidado, localmente ainda é visto como um tabu, segundo ele. A maior empresa americana do setor, a Service Corporation International (SCI), administra 1.461 funerárias e 484 cemitérios.

“Enxergamos que o mercado [local] tem dificuldades de precificar estes ativos. Não se trata de um ativo imobiliário estático”, disse Santiago. Há características, por exemplo, de shopping centers, por envolver contratos de cessão de uso [pelas prefeituras]. Também há semelhanças com seguros. Uma pessoa que contrata um plano funerário, por exemplo, o faz pela necessidade, mas a expectativa é que não o utilize, pelo menos no curto prazo.

Em abril, o fundo teve retorno de 39,24%, em um momento em que a segunda onda da covid-19 rumava a seu pico. Já em maio, até ontem, tinha alta de 10,92%. Além da demanda maior por sepultamentos, foi percebido também a intenção das pessoas de regularizarem planos funerários em atraso. A venda de novos planos, no entanto, teve impacto negativo, já que as operações são essencialmente presenciais.

O CARE 11, de acordo com Santiago, funciona como uma espécie de private equity. As investidas são empresas de capital fechado que administram cemitérios. Atualmente são nove ativos, em diferentes estágios e localizados no Rio de Janeiro, Rio Grande doSul, Paraná, Amazonas, Goiás e São Paulo, por exemplo.

O ativo mais maduro é a Cortel, que tem origem no Rio Grande do Sul e se preparavapara fazer um IPO estimado em R$ 400 milhões, entre ofertas primária e secundária. Opedido da emissão, que seria coordenada pela XP, chegou a ser protocolado pelaComissão de Valores Mobiliários (CVM), mas foi suspenso pelas condições adversas domercado financeiro. Enquanto a oferta de ações não sai – a expectativa é que sejarealizada em 2022 -, a empresa vai focar em aquisições. Segundo o presidente doconselho da Cortel, José Elias Flores, a ideia é fazer cinco operações ao longo de 2021.

A Cortel atualmente administra dez cemitérios e seis crematórios – sendo um delespara animais de estimação -, além da empresa funerária e dos planos funerários.“Teremos uma musculatura maior. As transações estavam alinhavadas, masinterrompemos por causa do IPO. Chegamos à conclusão de que era melhorinterromper, fortalecer nossa posição e mostrar que a tese é viável”, diz Flores.

Um dos focos é a cidade de São Paulo. Há a expectativa de uma licitação para a concessão, por 35 anos, dos serviços de gestão, operação, manutenção, exploração, revitalização e expansão dos 22 cemitérios e crematórios públicos, além da prestação de serviços funerários na capital.


Voltar ao topo